Obesidade como sintoma de...

Obesidade como sintoma de...

Você já parou para pensar o que está atrás do ataque a geladeira, o comer compulsivo de bombons até a caixa se esvaziar, a vontade repentina de comer o sanduíche duplo do Mac Donalds com batatas fritas ?

Atacamos a comida como forma de amenizar nossas frustrações, compensar a correria do dia a dia, pela raiva do negócio que estava para fecharmos e deu errado, do estresse.

Usamos a comida nessas horas para aliviarmos sensações ruins que estão presentes em inúmeros acontecimentos em nossa vida, como uma forma de nos sentirmos mais confortáveis.

Não se preocupe se isso acontece com você, pois são diários esses relatos quando se fala em ganho de peso e emagrecimento.

Os chocolates por exemplo, elevam o nível de seretonina no organismo que produz a sensação de bem estar. Mas sabemos que esse comportamento apesar de delicioso, pois não satisfaz somente nosso paladar, como produz uma sensação de satisfação, irá se instalar em nosso corpo em forma de gorduras (indesejáveis)

Mas, e o peso como fica? É claro que o comportamento de utilizar a alimentação como válvula de escape, não é adequado, pois irá gerar um aumento significativo de peso e insatisfação com sua imagem corporal.

Substituir essa alimentação excessiva por exercícios físicos é mais eficaz e mais saudável.

Quando fazemos exercícios, liberamos a seretonina em nosso organismo, que produzirá a mesma sensação de bem estar que o chocolate produz, só que forma mais eficiente e saudável , sem falar na satisfação de ter sentir-se mais disposto, com boa auto-estima, e principalmente satisfeito com seu corpo.

A Obesidade é multifatorial sim, mas o que vem disparando o aumento de casos de forma significativa, são os processos emocionais que promovem ansiedade, que nos levam ao exagero alimentar.

O processo de auto conhecimento é fundamental para lidarmos de forma mais adequada em relação as nossas compulsões. Com o aumento da auto-estima, e o reconhecimento de suas potencialidades, fica possível o alcance das metas pretendidas, nos possibilitando um melhor relacionamento com nosso corpo , e com certeza, com a comida.



Olá, sou Luciana Kotaka ,algumas já me conhecem outras não, sou Psicóloga Clínica, filiada a ABESO, Associação Brasileira de Obesidade e Síndrome Metabólica, pós graduada em Obesidade e Transtornos Alimentares e o foco do meu trabalho é emagrecimento e manutenção de peso e também os transtornos como anorexia, bulimia e compulsão.

Por: Luciana Kotaka
Psicóloga Clínica Silvia Luciana Kotaka
CRP- 08/06502-1
Psicóloga Clínica Transtornos Alimentares
Emagrecimento e Manutenção de Peso
Blog: blog.comportamentomagro.com.br
www.comportamentomagro.com.br

6 comentários:

Adorável Julia disse...

Oi!
Adorei o post. Eu sou super compulsiva e já cheguei a tratar isso, mas por alguns motivos precisei interromper o tratamento, o que foi bem negativo pra mim. Agora estou tentando realmente substituir a louca ingestão de alimentos por outras atividades. Busco ocupar o meu tempo e evitar a compra de guloseimas...

Beijos

ANINHA disse...

Acho q o 1º passo é mesmo sabermos a causa da compulsão, pq aí, tratar fica mais fácil. Mais uma ótima dica da Lu.
OBS: A Lu, além de uma excelente profissional é super atenciosa, responde tds os meus comentários e dá mega dicas.

Amábile - Mãe de dois disse...

sei da importancia do exercicio mais acho que preiro chocolate , otimo post brincadeira a parte bj

Aretha disse...

Oiiee!! Eu sou extremamente compulsiva por chocolate, tanto é que não estou nem comprando em casa, pq se compro devoro tudo sozinha!!
Adorei a postagem!! Beijos!!!

Mari disse...

Olá !
Adorei o post, super util, e me identifiquei muito pois passei por situações desagradaveis e a primeira coisa que eu fazia era ir direto no chocolate...

Bom, seu blog é lindo, passa lá no meu, okay?

Beiiijos

Ci Tartarini disse...

Adoro os posts daki,parabéns o blog tá cd dia melhor =) !!!