Bursite Trocantérica

Bursite Trocantérica




Bursite trocantérica, também conhecida como síndrome da dor no trocânter maior, é uma das patologias mais comuns no quadril, é caracterizada por dor na região do trocânter maior do fêmur. Essa dor, aumenta ou diminui com alguns movimentos, como por exemplo rotação do quadril. Essa dor é parecida com a relacionada com as que acometem outras bursas, como já foi citado em um post anterior. O fato de essa dor ser no quadril, pode ser mais incapacitante do que as que acometem outras regiões.

Causa:


• Microtrauma repetitivo causado pelo uso ativo dos músculos que se inserem no trocânter maior, isso resulta em mudanças degenerativas dos tendões, dos músculos, ou de tecidos fibrosos.;
• Diminuição do alongamento no trato íliotibial;
• Desgaste sobre a região;
• Trauma agudo sobre a região ( embora seja uma causa comum, apenas 23% a 64% dos pacientes recordam um evento traumático específico).

As mulheres são mais afetadas do que os homens, com uma predominância de 4:1, com prevalência aumentada entre os 40 e 60 anos.

Sintomas:

• sintoma principal e mais forte é a dor crônica (persiste por longos períodos), geralmente atras e na parte lateral do quadril;
• Geralmente a dor piora a noite;
• Pode irradiar para perna e tornozelo;
• Dor quando se mantém muito tempo em pé.

Diagnóstico:

No exame físico, todos os pacientes sentem dor à palpação do local (em cima do trocânter maior). Além disso, apresentam dor, quando são realizados alguns testes específicos de quadril. No exame físico, também deve-se avaliar a presença de outras patologias e alterações que podem estar associadas, tais como artrose de quadril e problemas de coluna.

Os exames de imagem também auxiliam no diagnóstico.

RX não diagnostica bursite trocantérica, ele pode evidenciar outras alterações que são geralmente associadas.

Outros exames como Ressonância Magnética e Cintilografia óssea podem ajudar no diagnóstico.

Tratamento: Pode ser dividido em 2 fases:

Durante a fase aguda:


• Crioterapia;
• Antiinflamatórios
• Repouso relativo;
• Utilização de bengala para diminuir o impacto na articulação (casos agudos);
• Fisioterapia (microondas, ondas curtas, ultra-som, etc.);

Durante a fase crônica:

• Mantém os mesmos procedimentos antiinflamatórios;
• Mobilização passiva;
• Alongamento dos tecidos que apresentam contratura;
• Tonificação muscular se houver perda de força;
• A cirurgia é indicada quando não houver melhora com nenhum outro tratamento conservador.

Esse post foi uma sugestão da Leitora Priscaramos. Obrigada Pri pela sugestão!


Olá, meu nome é Thiago, sou Fisioterapeuta, tenho formação nas áreas de RPG, Aurículo acupuntura, Shiatsu e Pilates, sou membro da Associação Brasileira de Pilates ( ABP ). Estarei escrevendo semanalmente um tema sobre saúde, que compreenda as minhas áreas de atuação.

www.fisioterapias.com.br




Dr° Thiago quer saber: Você tem alguma sugestão ou algo que queira saber, o Dr° Thiago fará um post especial sobre o que você sugerir.. então, mande um email para andrezafsilva@bol.com.br

9 comentários:

Alfredo/Agência WD1 disse...

Seu blog tá muito bom.Parabéns.

Marilia disse...

Nossa essa eu não sabia, vou ter mais cuidados!
Coisas da Gigi

Adélia Nenevê disse...

Seu blog não poderia ficar de fora das minhas indicações:
Tem um selo prá vc no meu blo: http://wwwrespingosadelia.blogspot.com/

Parabéns pelo seu ótimo blog !
Bjs
Adélia

Estrela da Sorte disse...

Oi lindeza estou Aproveitando, para comemorar a nova parceria do Estrela da Sorte com a marca ADA TINA, nós estamos com mais uma promoção super legal para vocês http://streladasorte.blogspot.com/2010/01/oi-de-novo-meninas-para-comemorar-nova.html

http://detudonaarte.blogspot.com disse...

Nossa!Eu não sabia desse tipo de bursite ,achava que era só nos ombros!
Parabéns pelo post.

amandapila disse...

Nunca tinha lido um post falando de Bursite trocantérica. Já passei por um período muito ruim por causa dela, mas depois de cuidar consigo viver sem "grandes sofrimentos", mas quando resolve doer é insuportável.
Ao que me parece isso não tem cura (só com cirurgia) Fazer o que???
Parabéns pelo blog.

Pema Lodrön disse...

Acabo de vir do médico e estou com este tipo de bursite. Existem bursas pelo corpo todo! Eu achando que era problema na lombar. Já tomei uma injeção e um Celebra antes do almoço todos os dias. Ele me indicou dois exercícios assim que acordar antes de me levantar da cama. Também indicou de 10 a 20 sessões de fisioterapia - preguiiiiiça - e voltar no consultório prá ver o quê que deu. Tenho quase 59 anos. Ai, ai... O que fazer com a Ordem Natural das Coisas?

Anônimo disse...

Olá!
Gostaria de saber se o Dr.atende algum convênio.

Parabens pelas matérias.

Lúcia Regina

Nayara disse...

Meu Deus! Obrigada por essa postagem. Estou há dias sentido dores nessa região com todos os sintomas descritos, bem no local. Não tenho condições $ de fazer fisioterapia nem os exames citados,mas com a explicação dada poderei me tratar. Vou fazer a crioterapia (gelo), tenho um aparelho de infravermelho, e repousarei ao máximo.Peço a Deus que faça com que esses procedimentos tenham efeito e me cure. Obrigada. Deus os abençoe